Oi: TCHAU PRA TI!

Bah, sério… essa que vou contar foi a gota d’água. É sobre esta operadora de telefonia que abocanhou a Brasil Telecom, a Oi, aquela que usa criancinhas fofinhas, no final das propagandas na TV, pra divulgar os serviços podres que oferecem.

PRIMEIRO ATO

Semana passada, minha mãe ligou para a Oi e reclamou sobre um serviço que estava sendo cobrado em nossa conta desde Fevereiro, e que eu, responsável (e tri burro!) por administrar o telefone daqui de casa em função da banda larga, só fui perceber no mês passado. Nunca usamos o serviço e nem temos nenhum plano de utilizá-lo.

O DEABO do serviço é um tal de “Pacote de Serviços Inteligentes”, vulgo Identificação de Chamadas. Segundo o atendente da Oi, o serviço faz parte do pacote de banda larga. Ooooooiiiii???? COMASSIM??? O que tem a ver o cú com as calças? Um serviço de identificação de chamadas, também conhecido por BINA, atrelado a um pacote de banda larga?! Primeir a coisa que me veio à mente: isso parece ser venda casada. Até onde eu sei, isso é proibido por lei.

Após duas tentativas infrutíferas de cancelamento, resolvemos deixar pra lá. Discutir com atendente obediente não rende. Eles seguem a cartilha do patrão e são os que menos têm culpa.

SEGUNDO ATO

Hoje, segunda-feira, 05 de setembro, 20:45h, entro no chat online da Oi para fazer uma reclamação sobre o sinal da banda larga, que está oscilando desde sábado ao meio-dia. Segue o diálogo na íntegra, mas acompanhe o texto destacado, porque o resto é irrelevante. Se quiser ler tudo, ok.

Detalhe: repare que eu sou “Heloisa” (ui!), pois minha mãe naturalmente não entende LHUFAS sobre banda larga.

Bem Vindo ao Atendimento Online Oi.

Em que posso ajudar?

FERNANDO (20:45) : Protocolo de atendimento(20110905001362) Boa noite. Caso já seja cliente OI, me informe por gentileza o nome completo o numero do CPF do titular da linha, é o número do telefone com DDD para qual deseja fazer a solicitação.

Heloisa Nunes e Silva (20:46) : boa noite, fernando

Heloisa Nunes e Silva (20:46) : nome: heloisa nunes e silva

Heloisa Nunes e Silva (20:47) : cpf ***.***.***-**

FERNANDO (20:47) : Qual o numero do terminal fixo do titular da linha;.

Heloisa Nunes e Silva (20:47) : 51 ********

FERNANDO (20:47) : Obrigado pelos dados! Qual é a sua solicitação?

Heloisa Nunes e Silva (20:48) : desde sábado estou com problemas de instabilidade no serviço de internet. o sinal cai com frequencia

Heloisa Nunes e Silva (20:49) : nao consigo passar mais de 15min conectada sem cair

Heloisa Nunes e Silva (20:49) : quero saber se há problemas na minha região e quando o serviço será restabelecido

Heloisa Nunes e Silva (20:49) : neste momento estou conectada via celular

FERNANDO (20:50) : Heloisa o que pode ser feito já que não se sabe o problema em sua conexão é abrir um chamado para que a equipe técnica compareça em sua localidade para verificar o que está ocorrendo em sua conexão. Deseja que seja aberto este registro.

Heloisa Nunes e Silva (20:50) : não tem como fazer um diagnóstico remoto na rede da minha região?

Heloisa Nunes e Silva (20:51) : antes de mandar uma equipe aqui, pessoalmente, não é possível verificar o problema remotamente??

FERNANDO (20:52) : Infelizmente não, somente o técnico poderá fazer está verificação.

Heloisa Nunes e Silva (20:52) : fernando, tu me desculpe, para que serve este atendimento via chat? o que eu posso resolver por aqui?

FERNANDO (20:53) : Solicitações é informações.

FERNANDO (20:53) : Infelizmente não prestamos suporte técnico.

FERNANDO (20:54) : Deseja solicitar o reparo técnico?

Heloisa Nunes e Silva (20:54) : Tu estás me dizendo que a Oi não presta suporte técnico aos serviços que ela vende?

FERNANDO (20:56) : Como foi informado, somente o técnico poderá fazer está solicitação, com o seu aval solicitamos o pedido de reparo técnico para que o técnico compareça a sua residência ou faça a verificação na central técnica para verificar o sinal de sua internet.

FERNANDO (20:56) : Deseja solicitar o reparo técnico?

Heloisa Nunes e Silva (20:56) : Sim, quero abrir este chamado. Ela tem algum custo?

FERNANDO (20:56) : Será cobrado uma taxa de 44,00 pela visita técnica se o problema for em seus equipamentos, mais se o problema for em seu sinal de internet você não pagará nada.

FERNANDO (20:56) : Deseja solicitar o reparo técnico?

Heloisa Nunes e Silva (20:57) : Se a visita for em data e horário agendado, sim, eu quero solicitar.

FERNANDO (20:58) : Então para atendimento peço que entre em contato com nossa central de atendimentos 10314 opção 3-3-8 suporte técnico da OI,

FERNANDO (20:58) : Deseja mais alguma informação?

Heloisa Nunes e Silva (20:59) : Sim, desejo… Eu sou surda e uso aparelho auditivo. Mesmo com ele, eu não falo ao telefone.

Heloisa Nunes e Silva (20:59) : Só me comunico pela Internet ou por SMS

FERNANDO (20:59) : OK.

FERNANDO (20:59) : Me informe um numero de telefone celular para contato técnico.

Heloisa Nunes e Silva (21:00) : Eu quero solicitar o reparo. Isso pode ser feito por aqui?

FERNANDO (21:00) : Me informe um numero de telefone celular para contato técnico.

Heloisa Nunes e Silva (21:01) : O contato será feito por SMS?

FERNANDO (21:01) : Prestamos todas as informações necessárias, estamos encerrando o atendimento. A Oi agradece o seu contato, tenha uma boa noite!

Heloisa Nunes e Silva (21:01) : Fernando, está aí ainda?

Heloisa Nunes e Silva (21:03) : Fernando?

 

Pois é… Sentiu o drama? O Fernando saiu sem me atender. Bateu 21h e tocou a sirene lá. A Oi tem um chat para atendimento online que não faz atendimento online… E se a buzina do final do expediente tocar, PHODAM-SE os clientes, né?!

TERCEIRO, ÚLTIMO E DERRADEIRO ATO DA ÓPERA

TCHAU PRA TI, OI. Adivinha? Está tudo terminado entre nós. Vou te trocar por outra, sua vagabunda!

tchau_logo


Onde está a #Acessibilidade para #SurdosOralizados nos bancos brasileiros?

Nas duas últimas semanas do mês de Agosto, a Paula Pfeifer, do blog Crônicas da Surdez, e a Lak Lobato, do blog Desculpe, Não Ouvi, lançaram uma discussão acerca da (falsa e falta de) acessibilidade dos serviços para surdos oralizados,  “disponibilizados” pelos bancos e instituições financeiras em geral.

Uma leitora da Lak questionou sobre o problema acontecer em outros segmentos, não só o bancário. Tirei o chapéu pra pronta e simples resposta da Lak:

“Isso é só a ponta do iceberg.”

Iceberg

 

Ainda não tive problemas com bancos, mas com empresas de telefonia… Que atire a primeira pedra quem nunca perdeu cabelo com as operadoras.

Meu chefe já se passou por mim, para poder cancelar um serviço de celular, que eu não estava utilizando. Minha namorada, ouvinte, já ficou ao meu lado no telefone, me passando o que um atendente me pedia, para que eu pudesse alterar um plano de telefonia.

Eu sou surdo oralizado e me sinto lesado pela situação nada desagradável. Então vamos lá! Aqui vai minha contribuição.

Só para início de conversa, fiz uma pesquisa no Google, a qual não durou nem 5 minutos, e encontrei no site da Computerworld o título a seguir. Os destaques em negrito e letras maiores são meus.

A fonte está neste link: http://computerworld.uol.com.br/tecnologia/2011/06/15/bancos-reabrem-os-cofres-para-ti/

Bancos reabrem o cofre para TI

Os serviços de pagamentos e recebimentos da rede bancária brasileira estão entre os mais eficientes e modernos do mundo. Isso porque o investimento em alta tecnologia sempre foi quase que um mantra no setor, para garantir posições privilegiadas em uma arena de forte concorrência.

[…]
O estudo, que envolveu executivos de 62 instituições financeiras que atuam no País, aponta que entre as prioridades de negócios para o ano, na opinião dos executivos, estão, pela ordem, aumento de eficiência, receitas e portfólio. Quando o tema são iniciativas ligadas à inovação, a maioria tem como prioridade a criação de produtos e serviços, novas formas de relacionamento com o cliente e reformulação no atendimento nas agências, além de novos modelos de precificação.

[…]
De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em 2010 os gastos do setor com TI atingiram 22 bilhões de reais, crescimento de 15% sobre o ano anterior. As despesas com tecnologia ficaram em 15,4 bilhões de reais, aumento de 13% sobre 2009 e os investimentos na área alcançaram 6,6 bilhões de reais, valor 19% superior.

 

Foram 22 bilhões de reais em investimentos em tecnologia em só no ano passado! Quem se arrisca a chutar quanto desta fatia foi investida para atendimento de pessoas surdas?

Sou formado na área de Gestão de Tecnologia da Informação (TI), possuo certificação em Gerenciamento de Serviços de TI e faço pós-graduação em Gerênca de Projetos de TI. Estamos em pleno 2011, no século 21, porra! Onde está o que os bancos chamam de acessibilidade? Qual é o conceito de acessibilidade dos bancos? A propósito, lanço um desafio:

As pessoas que cuidam da acessibilidade nos bancos são deficientes? Possuem algum tipo de limitação física? Sentem na pele as dificuldades de um surdo, de um cego ou de um cadeirante?

Com essa quantidade de recursos financeiros e tecnologias disponíveis, não aceito mais nenhum tipo de desculpas. Eu não deixo por menos; vou brigar pelos meus direitos.


Um dia pra ser lembrado pra sempre

O que vou relatar aqui hoje é uma experiência que passei pela primeira vez na minha vida. Foi um momento incrível, de fazer sentir vivo, de lavar a alma. Achei que seria interessante compartilhar isso com meus milhares (cof! cof!) de leitores.

Semana passada, participei da equipe que foi realizar uma palestra para alunos (adolescentes do 2º Grau) do Colégio Província de São Pedro, daqui de Porto Alegre. O evento faz parte do projeto Congrescola, ministrado pela ONG Gente Nova, a qual me tornei membro há poucos dias. O Congrescola é um (um dos vários!) trabalho voluntário super legal, de conscientização, de passagem de valores como ajudar o próximo, fazer o bem, superação, persistência, de fazer as coisas hoje (e não deixar pra depois), enfim, ser alguém na vida.

Vale lembrar que foi a primeira vez que participei de um projeto da ONG. Antes disso, eu só havia participado de reuniões de planejamento e encontros mensais dos voluntários e membros. Meu papel neste evento era dar um apoio aos palestrantes e ser o fotógrafo oficial da palestra.

Vamos ao ponto:

imagem-de-homens-de-honraDurante a palestra, são mostrados vários trechos de filmes. Estes trechos possuem uma mensagem a ser passada. Por exemplo: um trecho do filme Jerry Maguire (estrelado pelo Tom Cruise) fala sobre ter metas, valorizar a família e as pessoas, sobre não sermos tão materialistas.

Um outro trecho de um outro filme – que não me recordo o nome e tô com preguiça de buscar no Google – falou sobre pessoas que deixaram alguma marca na história da humanidade (Júlio César, Isaac Newton, George Washington, dentre outros).

E por fim, um trecho do filme Homens de Honra, protagonizado pelos atores Cuba Gooding Jr e o eterno Capone, Robert de Niro, que transmitia a mensagem de superação, persistência, não se deixar abater pelas adversidades, seguir em frente.

Me identifiquei demais com esse último.

[PAUSA: deixa de ser preguiçoso(a) e joga o nome do filme no Google se quiser saber do que se trata. Ou aluga o DVD!]

Não sei o que DEABO deu em mim nessa hora, e pedi a palavra à palestrante que ia falar sobre o filme. Senti um misto de coragem e um nervosismo sem igual. Achei que aquela gurizada ali, que tinha entre uns 16 e 18 anos, ia me trucidar vivo! Falar em público NUNCA foi uma virtude minha, mas eu dei a cara a tapa. Senti que era a minha vez de fazer alguma coisa.

Por increça que parível, num total improviso e sem nenhum planejamento, apenas contei a minha história de vida, de ser surdo desde os 3 anos de idade, das minhas dificuldades durante a adolescência, das minhas vitórias e derrotas durante o percurso, até chegar aonde estou hoje: formado, estudando, empregado e cheio de planos ainda.

Minha mensagem pra gurizada que me olhava fixo e – pasmém – prestava atenção em tudo o que eu dizia, foi:

  • Problemas foram feitos para serem resolvidos. Pra todo problema, existe uma solução.
  • Amigos são indispensáveis, mas a Família é tudo!
  • Trace metas, objetivos. E alcance-os! Lute por eles.
  • Aprenda com as adversidades e cresça.
  • Não fique esperando que façam por ti. Faça você mesmo.
  • Quando disserem que tu não consegues, vá lá e faça.

Falei por 10 min. apenas… Mas o que veio depois, logo que terminei de falar e agradeci pela atenção de todos, valeu por alguns anos da minha vida. O inesperado (pelo menos pra mim, ÓBEVEO!) aconteceu: fui aplaudido pelos que estava ali me escutando. Aqueles guris e gurias de segundo grau, que achei que fariam picadinho de mim, estavam batendo palmas pra mim!

Vi pessoas com lágrimas nos olhos. Uma veio me dar um abraço, outra me agradeceu por eu ter dado a ela a oportunidade de ouvir, dizendo que sairia dali repensando alguns valores. Ganhei beijos e abraços. Foi impressionante! Fiz um esforço hercúleo pra controlar minha emoção. E consegui. Um baita ANEMAL, de quase 1.90m, desabando no choro?! Sim, sou eu mesmo! Mas não foi desta vez que chorei. Segurei na raça!

Afinal, o que foi que eu fiz? Nada de mais! Não tem mágica ou receita de bolo. Apenas contei quem eu sou, o que sou, quem me tornei, apesar de ser surdo. Passei um pouco da minha experiência, da minha visão de vida. Na minha opinião, eu ofereci tão pouco de mim, fiz tão pouca coisa, não me custou absolutamente NADA; mas para quem estava ali, para quem absorveu as informações, parece que deixei alguma marca.

Estou fazendo a minha parte, por um mundo melhor. Fiz o meu trabalho voluntário. Fiz o bem. Ajudei alguém a enxergar algumas coisas de maneira mais positiva. Foi um dia pra eu jamais esquecer.

DSC03518

Congrescola Colégio Província de São Pedro | Agosto de 2011


Um balanço do 1º semestre…

Espia só a imagem abaixo:

Lista de Metas(1)

Esse pedaço de papel amassado e rabiscado, colado na porta do meu roupeiro é a minha lista de metas pessoais e profissionais pra 2011. No início deste ano, lá em Janeiro, rabisquei no papel alguns objetivos pelos quais eu buscaria e um prazo para alcançá-los.

Metas têm de ser alcançáveis, dentro das nossas possibilidades, mas com um determinado grau de dificuldade, o suficiente para sentirmos aquele gostinho de vitória. É claro que no meu caso, não são regras rígidas, as quais preciso me submeter religiosamente, mas ao menos eu tento seguir conforme planejei.

E por falar em planejamento, nada me impede de readequar meus objetivos e prazos, conforme o tempo vai passando. Já estamos no final de julho, e resolvi fazer um balanço.

Minhas metas:

  1. Iniciar uma pós-graduação. Prazo: fevereiro (início do ano letivo). Estou fazendo especialização em Gerência de Projetos de TI na UNISUL. check
  2. Doar sangue a cada 3 meses. Prazos: janeiro, abril, julho e outubro. Estive no Hemocentro, daqui de POA, em março. Não me deixaram doar, pois avaliaram que não seria prudente por eu ter a Doença de Crohn. Esta meta foi adiada, pelo menos até eu fazer uma avaliação médica para definir se posso ou não fazer a doação. O novo prazo é outubro. uncheck
  3. Iniciar um curso de inglês. Prazo: a partir do 2º semestre. Ainda está em tempo! clock
  4. Fazer trabalho voluntário. Prazo: a partir de março. Sou voluntário da instituição Gente Nova. check
  5. Obter uma certificação profissional. Prazo: junho. Obtive minha certificação em ITIL v3 Foundations. check
  6. Fazer exercícios físicos regularmente. Prazo: a partir de março. Comecei a fazer natação duas vezes por semana, mas infelizmente tive de fazer uma pausa depois de apenas dois meses. uncheck
  7. Terminar o ano com, no mínimo, R$ ***** ‘pilas’ na poupança. Prazo: dezembro. clock

E tu? Quais são tuas metas?